E agora José? O tempo não tornou sua ausência mais fácil, nem apagou as lembranças boas e ruins. Na verdade, o tempo só passou como ele tem que passar. Mas tudo ficou aqui. Mesmo eu não morando mais naquele apartamento que você conheceu, não usando o mesmo corte de cabelo ou tendo trocado o "nosso" sofá. Essas lembranças não ficaram nos móveis e roupas, nem no carro ou no supermercado... elas estão em mim. As guardo com carinho numa gaveta dentro do meu coração. E agora José? Só posso agradecer por você ter me deixado, pois isso me fez amadurecer e desejar ser uma pessoa melhor. Obrigada. Feliz 2017! Um beijo enorme, repleto de carinho e saudade.


“Mas é por esses caminhos que parecem tortos que você tem que caminhar, e as coisas vêm ao seu encontro.”

Faz muito tempo que não escrevo para você, não é por falta de tempo ou de preguiça, muito menos por falta de assunto. Este ano aconteceram várias coisas estranhas. Acho que até me apaixonei por um cara tatuado (você sabe que tenho uma queda pelos coloridos e barbudos). Mas ele não se apaixonou por mim e se afastou totalmente. Eu não quis "lutar" por ele, não tenho mais disposição pra isso. Desde que você se foi eu fiquei como um girassol em alto-mar. Tem sido bem diferente, você nem pode imaginar.

Não tenho tido notícias suas, mas soube que está bem. Que a moça bonita está cuidando bem de ti e dando paz ao teu coração. Apesar do pesar, fico feliz por isso, juro. Ainda penso no que não pudemos viver e sinto uma saudade danada. Aposto que não se lembra, mas hoje faz dois anos que não fizemos o check in naquela pousada na praia que você reservou. Hoje faz 730 que não passamos o final de semana juntos. Hoje é um dia triste para mim.

Durante esse tempo aprendi que "dá pra ser feliz sem você, só que é bem mais difícil". Continuei a viver da melhor maneira que pude. Consegui voltar a sonhar, consegui realizar alguns desejos, viajei, conheci pessoas, me diverti e também me decepcionei, chorei e surtei. Vivi. E quero continuar a caminhar, quero voltar a me sentir como antes... Quero o bem, para mim e para você também. Continue se cuidando, tá?! Um beijo.



"Acreditamos ser velas acessas, que só serão apagadas quando toda cera se derreter. Que tolos somos nós, afinal, a morte é um simples sopro"


Tenho morrido todos os dias desde 5 de Dezembro de 2014. Uns dias mais que outros... Não é sempre pelo mesmo motivo, às vezes é por raiva, outras por decepção e até por hemorragia. Talvez você não entenda, pois você não sente. O que torna tudo mais difícil e complicado de explicar.

Queria não sentir, não importar, não me doar, não me doer. Sempre ouço que sou forte, e sou mesmo. Mas sou frágil também. Não quero carregar todos esses sentimentos comigo, mas também não consigo deixá-los, sinto-me ligada demais a eles. Ponto final é sofrido.

Não culpo nada, nem ninguém por isso ou por tudo que vivi. Aconteceu. Infelizmente, aconteceu. E desde então tenho sobrevivido e vivido. Não da melhor maneira, mas da maneira que me convém. Insana, empenhada, burra, animada, aventureira, preguiçosa, decidida, bêbada e sei lá mais o que.  Todo dia eu morro. Todo dia eu vivo.