3 de agosto de 2010

Feia


Carol se sentia feia. Não que ela fosse de fato feia, mas se sentia feia. Ia a festas, mas não se divertia de verdade, se você a conhecesse não acreditaria em mim, pois o tempo todo ela mostrava os dentes num sorriso aberto.

Ela sorria para disfarçar incômodos. Achava ruim não ser notada, não ser desejada, não ser procurada. Carol era só mais uma na festa, aquela que todos viam, mas ninguém se interessava. E se alguém interessava, ela não acreditava, logo imaginava motivos para ignorar.

A menina queria ser feliz, mas para ela felicidade era ser querida por alguém. Era ter atenção de alguém. Era ser bonita. - “Mas quando se nasce apagada e feia como mudar?” - Essa era a maior dúvida de Carol.
Procurou respostas em psicólogos, psicanalistas, médicos, cartomantes, charlatões, livros de auto-ajuda, amigos, colegas, primas... e até em músicas, silêncios e estrelas. - Nada! -

Alguém sugeriu que comprasse roupas e sapatos novos. Assim ela fez. Ficou mais desajeitada ainda tentando se equilibrar em cima de um salto agulha da moda. Outro lhe indicou uma mandinga para ser feito na sexta-feira. Ela pensou em fazer, mas tinha medo de galinha. Não tinha grana para fazer cirurgia plástica, uma reconstrução de face, sugestão de alguns dos médicos que ela foi. Não sabia ser descolada, nem simpática, nem emo, nem punk, nem queria ter o cabelo vermelho com mechas azuis.

Cansada. Desacreditada. Chateada. Deprimida. Se viu em um beco sem saída. Sentiu que só podia se conformar em ser como ela mesma e que deveria tentar não almejar o que não podia ter. Quem sabe assim ficaria menos infeliz com a vida ‘até boa’ que ela tinha.

Se eu inventar um final feliz para a Carol, estarei mentido sua biografia, coisa que não faço. A vida de alguém é muito valiosa para se maquiar.
A garota não encontrou alguém que lhe quis. Impossível! Sim, impossível. Quando você não se quer, ninguém pode te querer. E ela também não ficou bonita, nem fez mandinga e nem plástica. Ela está em inércia. Morna. Talvez se um dia ela descobrir que não precisa ser bonita para ser feliz ela consiga quebrar o muro que faz o beco ficar sem saída.
Mas isso ninguém nem alguém pode fazer, somente ela. Carol.

11 andarilhos:

Poetic GIRL disse...

Ninguém poderá gostar de nós, enquanto nós não aprendermos a nos gostar também! bjs

Rodrigues, K. disse...

A Carol pode fazer um pouco de companhia para a minha Anna, quem sabe uma não ajuda a outra? hehehe.

Te beijo.

Daniel Savio disse...

Realmente tenho de concordar que assim fica dificil achar alguma felicidade...

Fique com Deus, menina Camila Blopes.
Um abraço.

Paula Barros disse...

O seu conto não tem um final feliz, mas tem o caminho para tentar ser. Mas bem se sabe que não é tão fácil seguir esse caminho.

abraço

Juliana Sphynx disse...

Me identifiquei muito com a menina descrita na parte de ficar somente pelos cantos...
Passei uma adolescência meio complicada a respeito disso

Tenha uma boa semana!
=D

HSLO disse...

Só ela pode levantar o astral dela...ser outra pessoa...viver e ser feliz.


gostei da postagem

abraços

Hugo

mila disse...

primeiro precisamos gostar de nós mesmos, para que os outros também gostem da gente!

beijos, xará! :*

Por que você faz poema? disse...

Sentir-se é pior
do que realmente
ser.

Tiago Moralles disse...

Eis a questão.

Hod disse...

O evento do tipo, a ficha caiu se dá quando a gente percebe como é bom e importante apaixonarmo-nos por nós mesmos, uma aventura por toda a vida.

Beijo Camila.

Cαmilα ♥ disse...

Obrigada a todos pelos comentários.

BeijOs

 

Caminhos de Camila Template by Ipietoon Cute Blog Design